Topo
contabilidade de custos

Contabilidade de custos: Preste muita atenção nela!

Ter controle do processo produtivo é uma das práticas da gestão eficiente. Quando esse controle diz respeito às despesas e transações, podemos trazer à tona a atividade da contabilidade de custos.

Você sabe o que ela é e como ela atua? No presente texto, abordaremos as principais questões sobre o tema!

O que é contabilidade de custos?

É a atividade que identifica, mede e analisa os valores gastos por uma empresa para obter o produto/serviço que comercializa. Essa atividade envolve o desembolso de recursos, o prazo gasto no processo, o consumo e a depreciação de ativos financeiros.

De maneira técnica, podemos conceituá-la como “o registro contábil das operações de produção da empresa, por meio das contas de custeio, que podem ser dividida em contabilidade de custos de serviços (prestação de serviços) ou de custos industriais (produção de produtos)”.

Objetivo

A contabilidade de custos possui cinco objetivos básicos:

  • Ter precisão sobre o lucro da operação, do produto ou da linha de produção;
  • Determinar a rentabilidade do patrimônio ou do investimento;
  • Contribuir para controlar as operações e os custos, por meio da comparação da execução com orçamentos e valores;
  • Dar suporte ao planejamento estratégico da gestão;
  • Auxiliar no processo decisório (investir ou retirar investimento, produzir ou comprar).

Em outras palavras, ao fornecer um panorama das despesas relacionadas à produção, o gestor pode analisar detalhadamente a situação financeira da empresa e tomar decisões mais adequadas.

Ela não se confunde com a contabilidade gerencial, nem com a contabilidade financeira.

Como elaborar uma contabilidade de custos?

O auxílio de um profissional especialista em processos contábeis é ideal para que seja feita uma contabilidade de custos eficiente. Porém, o gestor também deve estar ciente acerca da forma de elaborá-la..Conforme o Sebrae, são 9 passos simples para fazê-la:

  1. Obtenção dos dados contábeis e físicos dos custos;
  2. Separação das despesas e dos custos;
  3. Apropriação dos custos diretos aos serviços e produtos;
  4. Rateio dos custos indiretos, observando as regras que envolvem absorção de custos (valor relativo da mão-de-obra e dos custos diretos, faturamento relativo etc.);
  5. Rateio das despesas de administração, de vendas e das despesas financeiras, observando ainda as mesmas regras de absorção do passo 4;
  6. Comparação de custos e despesas totais por produto, com seu respectivo faturamento, a fim de determinar sua lucratividade;
  7. Comparação de custos e despesas totais por produto, com seus respectivos orçamentos, a fim de determinar variações entre o que foi planejado e o que foi executado;
  8. Comparação custos e despesas totais por produto, com seus respectivos custos-padrão, a fim de determinar variações entre o normal e o realizado;
  9. Apontamento das causas das variações ocorridas nos passos 7 e 8, o que possibilita implementar ações corretivas, se necessário.

É importante diferenciar, como visto acima, custos diretos e indiretos. Custos diretos são aqueles ligados à produção de um produto ou à prestação de um serviço.

Custos indiretos não são identificados em produtos e serviços, como a equipe de marketing e os gestores de uma indústria.

Agora que você tem uma noção inicial sobre a contabilidade de custos, consegue avaliar se sua empresa adota a prática. Se ela ainda não possui, a tomada de decisões pode estar comprometida. Fique atento!

E se precisar de alguma ajuda para colocar tudo isso em prática, entre em contato para que possamos te ajudar!

organização financeira